Olá Amigos!
Bem-vindos ao meu diário na internet. Espreitem as ligações do lado direito e conheçam-me melhor, aos meus amigos e ao meu Mundo. Não se esqueçam que podem sempre deixar-me uma mensagem.
Voltem sempre e não se esqueçam de cuidar da nossa Natureza!

Topas

Querem fazer parte da nossa mailing list, para serem os primeiros a saber as novidades do CEA - AdDP? Escrevam para cea@addp.pt (assunto: mailing list) e todos os meses receberão novidades nossas!

sexta-feira, abril 30, 2010

Trabalhos manuais na Casa da Horta

Às quintas-feiras a Tupilde adora ir dar um passeio ao Porto e descobriu uma coisa fantástica: o encontro de tricô na Casa da Horta, às 17:00.
À primeira vista não parece ter nada a ver com ambiente, mas além daquele espaço ser bem especial, o tricô é feito por muitos participantes com a reutilização de alguns materiais, que por uns são considerados lixo!
Vale bem a pena.
Apareçam e levem amigos!

A água fez mais um ciclo

Recebo tantos grupos aqui no CEA, mas há sempre algumas crianças que me "marcam" imenso, por muitas e variadas razões. Este grupo não foi diferente. Com gestos e palavras foi fácil perceberem o ciclo natural da água. E até dançamos e tudo!

quinta-feira, abril 29, 2010

Um dia da mãe ecológico:

Knowing what to get a green mom for Mother's Day can be a tough call. In general most green moms believe in reduce, reduce, reduce, reuse whenever we can, and then when we HAVE to… recycle. The commercialization of Mother's Day often means we get gift and get "crap we don't need". But if you take into consideration what a mom values, what a green mom values, and what type of gifts we would actually use… then you can come up with a few sure fire ideas.

1. Gift the Gift of Time – No fancy gift required just spend time together. Play a board game, watch a movie on Netfix, go for a walk and a picnic. The pace of life is so hurried nowadays that a leisurely day with family is always a gift.

2. Donate to a worthy cause in their name - The National Wildlife Organization offers symbolic adoptions so if your mom has a special place in her heart reserved for Bottlenose Dolphins or Northern Cardinals… you can adopt an animal for her and the money goes to conservation and education. Purchasing the gift is also a great learning opportunity for kids.

3. The Gift That Keeps on Giving – I know I am a broken record about season passes but they are just so awesome they have to be mentioned. A family membership to the local zoo, science center, or art museum would be a gift that mom can use with her family ALL YEAR LONG! Also a Netflix membership would be a great gift for a movie lover.

4. A Mother's Helper - As a mom myself I can tell you that a gift certificate for a cleaning service would be heaven sent. A certificate for services rendered by family would be just as nice and cheaper too. I know my mom would love it as well. I would not put it past her to be reading this and be expecting it, LOL.

Other Mother's Helpers might include a Learning Tower or Kinder Perch. This mom LOVES hers.

5. A Good Book - If the moms in your life like to read then you cant go wrong with a good book. Here is what rates high on my radar… you may get some ideas yourself:

Fiction: Sookie Stackhouse series. Other than the Twilight series I think these may be the only fiction books I own.

Wannabe Country Girls: MaryJane's Ideabook, Cookbook, Lifebook & MaryJane's Outpost

The Foodie: Pioneer Woman Cooks (deliriously good food!!) or A Spoonful of Ginger

Outdoorsy Mama: Nature's Secret Messages: Hidden in Plain Sight

Creative Mama: Handmade Home

Simple Mama: Simplicity Parenting

6. Do Pretty Without Doing Flowers - Flowers die and most are grown and harvested in ways that make our planet very unhappy. Instead of flowers this mom would rather have a pretty vintage tablecloth and maybe a pot of live wheatgrass to sit on it. If you must give flowers find an obliging field of wildflowers to pick!

7. A Gift That Makes Mom's Life Easier – When you find those rare products that truly make your life easier you can't help but shout on the rooftops about them. For me that product is the Vita-Mix. For other moms it might be a juicer, a Kindle, an iPad, or a set of Pyrex dishes. It could even be the perfect backpack style camera bag so that mom will have a nice place to store her DSLR and her lenses so she can take more pictures of the world cutest kids.

8. Give Reusables – Green moms love resuable products that will last and add value to their hectic lives. The company Reuseit.com has a great selection of products that qualify. They recently asked their fans on Facebook what moms consider as a must have reusable product. I answered a Diva Cup and Luna Panties but that may make some people uncomfrtable to get or gift for Mother's Day but you can't go wrong with the products they offer at Reuseit. They even have a Mother's Day coupon going around for 10% off if your interested: MOM10.

What would be your perfect mother's day gift?

Como é ser operador da ETA?

Este grupo veio hoje saber como é ser operador da ETA. Com pouco esforço tiveram nota positiva no jogo final!

quarta-feira, abril 28, 2010

Nós na internet dos outros

A propósito dos Embaixadores dos Rios: aqui.

A Primavera é uma estação fantástica

Ora parem aí o comboio, se faz o favor, que eu quero sair nesta estação!
Que bom é sentir o sol logo pela manhã. Um pouquinho de calor para espevitar tudo o que se mexe! Não me importo de acordar um pouco mais cedo para poder regar todos os meus cultivos. Tenho de tratar também dos esfomeados caracóis. Já conversei com eles para lhes dizer que lhes posso oferecer outras coisas para comer. Por favor, não comam as minhas beterrabas, glicínias, roseiras, rebentos de abóbora e tudo o mais que é suposto ser eu a comer e não eles. Ofereço-lhes cenouras e limões, mas eles mandam-me passear! Ainda comem um pouquito, mas preferem aquilo que não "podem" comer. Tenho de arranjar uma solução. O que vale é que não gostam da salsa linda que está a ficar cada mais viçosa e das pequenas couvinhas que ainda vingam. E as flores... ai as flores! São a beleza do meu jardim aqui no CEA (são gladíolos e frésias). O castanheiro de Painçais está cada vez mais fresquinho. E os morangos silvestres? Estão quase, quase prontos a serem comidos. As macieiras perdem a flor para dar lugar aos frutos, como que a Natureza nos explicasse de uma forma tão simples que tudo tem de ser renovado. Relembro as mãos pintadas das crianças da colónia de férias da Páscoa com muita emoção. E pelo caminho ainda encontro melros, borboletas que esvoaçam o cheiro das flores primaveris, cápsulas de briófitas prontinhas a rebentar pela quantidade de vida que quer sair e sons inconfundíveis de amigos que nem consigo ver, mas que são presença constante no meu dia-a-dia aqui no CEA.
Haverá lugar melhor para se morar?



Pudesse a internet transmitir cheiros...
Venham cá amigos!
Venham conhecer e desfrutar deste pequeno paraíso!

terça-feira, abril 27, 2010

Visitas animais no CEA e arredores

Hoje, vieram-me entregar, aqui no CEA, um belo exemplar vivo de uma cobra-de-água-viperina (Natrix maura) bebé. Fui rapidamente colocá-la no seu habitat natural. Era muito bonita! Enquanto isso, e pelo caminho da mata, descobri uma cabeça de um coelho bravo (Oryctolagus cuniculus)... fiquei triste, sem entender o porquê da morte deste meu amigo...

Cobrinha

Obrigado Raquel Ribeiro, pela tua preciosa ajuda na identificação desta cobrinha!

Peixinhos na água, ou fora dela?

Que lindo grupo!
Este meninos foram maravilhosos ao longo das cerca de duas horas que estivemos juntos. Todos juntos aprendemos palavras novas e fizemos muitas experiências. Assim, estes peixinhos vão saber melhor como funciona o ciclo natural da água.

O mistério da água para consumo humano revelado a alguns alunos da FCUP

Foi um grupo bem pequenino que nos visitou hoje, o que proporcionou uma bela visita. Eram muito interessados e curiosos, colocaram imensas questões pertinentes e facilmente interligaram assuntos como a ETAR, poços, resíduos, ...

segunda-feira, abril 26, 2010

Escola EB 2/3 de Grijó

Infelizmente, esta instituição não autorizou a publicação das fotografias tiradas na Acção de Educação Ambiental decorrida hoje no CEA.

Deste fim de semana

Este fim de semana foi marcado pela presença dos Embaixadores dos Rios e pelos representantes do Encontro Anual de Ex-Militares de Moçambique no CEA e na ETA de Lever. Infelizmente, não temos fotografias dos nossos visitantes do dia 25 de Abril, mas os Embaixadores têm uma bela representação fotográfica:

sexta-feira, abril 23, 2010

O Campo de Girassóis

O campo de girassóis estendia-se pela planície; ali cresciam girassóis grandes, pequenos e muito pequenos, plantas de todos os tamanhos. Logo de manhã, levantavam as cabeças e punham-se a olhar para o Sol; e, durante todo o dia, as cabecinhas pasmadas dos girassóis seguiam o movimento do Sol desde que nascia até que se escondia. Quando deixavam de o ver, as cabeças dos girassóis caíam como se não pudessem com tanta tristeza. Todos os dias era aquele bailado de flores seguindo o Sol.
Um girassol, dos tais muito pequeninos, crescia devagar, escondido, encoberto pelos outros. Esse não olhava o Sol; como era muito pequeno, quando os grandes levantavam a cabeça para ver o Sol, ele não via nada: tudo ficava tapado pelas cabeças grandes dos girassóis grandes; portanto, como ele não via o Sol, não havia razão para virar a cabeça como os outros faziam; ficava a olhar para o chão, a ver as formigas e as ervas rasteiras. Por cima dele era um tecto de flores amarelas por onde não passava um único raio de sol. À noite, quando os outros baixavam a cabeça, o girassol muito pequeno podia então ver o céu. O brilho das estrelas deixava-o encantado e dizia: «Tantos sóis! Tantos sóis!» E ficava toda a noite a seguir as estrelas como os outros seguiam o Sol.
Certa manhã, as nuvens cobriram o céu e os girassóis grandes deixaram de ver o Sol; todos se queixaram e as pesadas cabeças inclinaram-se para o chão, privadas do chamamento dos raios do Sol. Como olhavam para baixo, viram o girassol muito pequeno que nem sabia o que era o Sol e não entendia as queixas dos girassóis grandes.
Mas à noite, as estrelas também não apareceram e o girassol muito pequeno sentiu-se triste. Agora já entendia os queixumes dos girassóis grandes, daqueles que olhavam e seguiam o caminho do Sol. Na manhã seguinte, o céu estava ainda encoberto e os raios do Sol não vinham chamar os girassóis para a dança habitual e as grandes cabeças amarelas sentiam-se perdidas sem saberem para onde se virar. Então o girassol muito pequeno falou aos grandes daqueles muitos sóis que ele seguia de noite; e os grandes falaram do Sol quente que seguiam de dia.
— Nunca o vi — dizia o girassol muito pe­queno. — Nem sei como é! As vossas cabeças tapam o céu e de dia só posso olhar o chão, as ervas e os animais que se movem a nossos pés.
Os grandes girassóis sentiram-se envergonhados; na sua adoração pelo Sol, não deixavam que um irmão mais pequeno conhecesse aquele que comandava os seus movimentos!
— Vamos deixar-te espaço para que vejas o Sol — prometeram eles. — Mas de noite queremos também olhar esses teus sóis pequeninos.
Quando as nuvens se desfizeram e as estrelas voltaram a brilhar, todos viram o céu estrelado. Na manhã seguinte, os girassóis grandes afastaram-se um pouco; então o girassol muito pequeno viu o Sol e o movimento da sua cabeça deslumbrada acompanhou-o todo o dia.
— Que dizes tu do nosso Sol? — quiseram saber os girassóis grandes. — Não te parece que é lindo?
— Sim, é lindo — respondeu o girassol muito pequeno, ainda estonteado pela luz do Sol. — Mas os meus sóis pequeninos também são lindos! Vou olhar o Sol de dia e as estrelas de noite.
É por isso que no tal campo de girassóis há um girassol muito pequeno que olha para o céu de dia, para ver o Sol, e de noite, para admirar as estrelas.

Natércia Rocha
Castelos de areia
Venda Nova, Bertrand Editora, 1995

quinta-feira, abril 22, 2010

Escola EB1/JI de Chouselas

Infelizmente, não nos deram autorização para a publicação das fotografias tiradas durante o decorrer das Acções de Educação Ambiental decorridas na manhã e tarde de hoje. Foram dois grupos excelentes de crianças muito curiosas e inteligentes. Quando voltam?

quarta-feira, abril 21, 2010

Visita à ETA de Lever



Foram três belos grupos a descobrir os mistérios da água para consumo humano.

Rã solitária

Era uma vez uma rã que vivia num charco. Vivia sozinha. O charco também era pequeno.
Sentia a falta de outras rãs, para lhe fazerem companhia e coaxarem ao despique nas noites de Lua cheia. Sentia que, se outras rãs vivessem com ela, podia nadar de bruços com mais folgança, velocidade, estilo… Sentia que os saltos que dava para dentro de água, à falta de espectadores, nem jeito nem graça tinham.
Enfim, a rã deste pequeno charco sentia-se muito só.
Desamparada. Infeliz.
Perguntem, se fazem favor, porque é que a rã se não mudava para charco mais amplo e povoado?
Porque temia que tão perto não houvesse outro. Ora, como devem saber, as rãs detestam perder tempo a saltar em seco. A água faz-lhes falta. Sem ela, perdem o luzidio da pele e a força de vida. Não sabiam?
Um dia, começou a chover que nunca mais parava. Dia e noite. Noite e dia.
Os campos ficaram alagados. Os rios sobraram do leito.
Pequenos charcos, afastados uns dos outros, juntaram-se num enorme lago.
Foi uma inundação terrível. Veio nos jornais e a televisão deu notícia. Casas de que só o telhado se via.
Animais afogados. Gente a ser salva em barcaças por bombeiros. Uma desgraça.
Mas como esta história pertence à rã, esta história tem um fim feliz. A rã, passada a tempestade, encontrou companhia. Dezenas de rãs coaxam agora, em coro, glorificando a chuva, a abundância das águas, o abraço do lago imenso que as juntou.
Aqui entre nós e em segredo vos peço que nunca contem esta história a pessoas que tenham sofrido os efeitos trágicos de uma inundação. Não iam gostar.

António Torrado
www.historiadodia.pt

terça-feira, abril 20, 2010

As minhas amigas "Inêzes":

Escola EB 2/3 de Grijó

Infelizmente, esta instituição não nos deu autorização para a publicação das fotografias referentes à Acção de Educação Ambiental "O Topas explica-te o que é a água", realizada hoje de manhã e de tarde. E correram tão bem...

segunda-feira, abril 19, 2010

Fizeram-me miniatura!




Obrigado Carla!

Foram cientistas por umas horas

AH! E as minhas frésias já dão um ar da sua graça.



Grande Primavera aqui no CEA!

Mais notícias do CEA

No Canal UP.

Do fim de semana



Muita jardinagem, desporto e brincadeira!

sexta-feira, abril 16, 2010

quinta-feira, abril 15, 2010

quarta-feira, abril 14, 2010

terça-feira, abril 13, 2010

O CEA nas notícias

Jornal "A Verdade", Maia Hoje e Ambiente Online.

Jardim de Infância da Ladroeira

Infelizmente, não nos foi dada autorização para a publicação das fotografias desta Acção de Educação Ambiental que decorreu hoje no Centro de Educação Ambiental da Águas do Douro e Paiva.

Meditação para crianças

When I posted about Sensation Meditations for Kids a couple months ago I got quite a few emails about meditating with kids. It can be a struggle getting kids to slow down long enough to meditate but it can be so helpful in calming and relaxing kids, especially after a hectic day at school or a tantrum has been thrown but meditation can be so helpful with kids!! I am no expert on meditation but I know I really enjoy it and feel really calm yet energized when I just do it, so kids can reap the same benefits. BUT I find that I need guidance… usually a a voice to follow via my iPod.

Although I stumbled upon a fun meditation of sorts this past weekend all of my own making. I guess it could also be considered an exercise in pretend play too. I was explaining to my daughter that we were not going to the beach on vacation… instead we are going to a resort in the Appalachian mountains in Shenandoah. She was feeling sad that we weren't going to Myrtle beach as she had hoped, so I recommend to her that we pretend we were at the beach.

Basically you need to clear a large spot on the floor right underneath some big windows ideally with the sun streaming in. Lay down a beach or picnic blanket, put on bathing suits, and lay in th sun with your eyes closed. Open the windows to allow the breeze in. You could even go outside for real too, of course. If you have a stereo or iPod sound dock handy then put on some beach/ocean sounds. I fond the iPod method the best because I can download the sounds for .99 cents a pop instead of buying a CD. These days I am all about digital or rental and not buying new.

Then guide your child or children into a "pretend" meditation. Speak slowly and repeat things as needed or add ideas of your own. Ideas will just pop into your head…

Ask them to concentrate on the sounds of the waves. Have them breath in an about many times as they watch the waves roll in and out, in and out. Ask if they hear the birds calling and talking to each other. Tell them to relax their bodies and watch the birds as fly about and imagine what the birds are saying… "We are free, we are happy, we are flying". Tell them to concentrate on the feel of the sun on their skin… the warm sun that we love so much. Imagine that you are soaking it in and the sun rays are energizing your skin and each of your cells. Your cells inflate like balloons with energy and love, direct from the sun. Instruct them to feel the breeze caress their skin and carrying away with it all their worries and problems. Say goodbye to your problems, the wind is taking them away. Now all you have is energy and peace, and the calming sounds of the waves crashing, and the feel of your breath going in and out, in and out, in and out… Just laying their together on the "beach" is very relaxing.

Now of course, as I mentioned before, I am no meditation expert. I do not know if I did things "properly" when coming up with this meditation but it is fun and peaceful nonetheless. If your kids like the beach they might enjoy this exercise to. Enjoy!

segunda-feira, abril 12, 2010

Deste fim-de-semana

Este fim de semana dei uma saltada na Feira da Primavera para comprar os vegetais e a fruta para toda a semana e aproveitei para saber um pouco mais sobre os partos naturais:

FeiraPrimavera10Abril2010

Medas em grande no CEA - PARTE 1 e PARTE 2

Foram dois grupos distintos que recebemos hoje. Começaram a meio gás, mas posso dizer que ambos terminaram a Acção de Educação Ambiental em grande:



sexta-feira, abril 09, 2010

Água e ambiente - notícia AdDP no Limpar Portugal

Aqui.

A Primavera chegou em grande aqui ao CEA

video

Lembram-se deste aniversário e desta actividade no CEA? Vejam os resultados agora:



Livro do Mês - Abril

e-JORN@L DO TOP@S Nº1

Cliquem aqui para lerem o nosso primeiro jornal deste ano!

quinta-feira, abril 08, 2010

Quinta da Gruta

Ainda em clima de férias, este grupo da Maia veio conhecer-me. Todos juntos, fomos cientistas:

quarta-feira, abril 07, 2010

Frase

"If your experience is that your water comes from the tap and that your food comes from the grocery store then you are going to defend to the death the system that brings those to you because your life depends on that; if your experience is that your water comes from a river and that your food comes from a land base th...en you will defend those to the death because your life depends on them...So part of the problem is that we have become so dependent upon this system that is killing and exploiting us, it has become almost impossible for us to imagine living outside of it and it's very difficult physically for us to live outside of it."
— Derrick Jensen

Escolinha da Terra ou terá outra e melhor tradução?

Agora faço parte do EarthSchooling!
Tantas coisas novas para aprender! E tudo relacionado com Rudolf Steiner e a Pedagogia Waldorf.

"Atacar" o urbanismo com flores

Atacando a paisagem urbana com flores e plantas a mão, Richard Reynolds deu início, em Londres, ao movimentoGuerrilla Gardening. Em uma ação de guerrilha, como forma de alertar a população para os cuidados com o meio ambiente, o inglês planta flores em locais abandonados e canteiros descuidados, mostrando que a relação entre sociedade e natureza pode ser mais saudável.

Em seis anos de "plantações", o movimento conseguiu o apoio de mais de 2 mil seguidores de todas as partes do mundo, que espalham por diferentes lugares o colorido das flores e o amor pela natureza, transformando a ação individual em um grande movimento social. Reynolds, que também é publicitário, sensibilizou australianos, suíços, estadunidenses e inclusive uma turma no Brasil (confira o site do movimento em Fortaleza, no Ceará), que vasculham as ruelas de suas cidades a procura de locais a serem plantados, e erguem suas pás na calada da noite, para começar um verdadeiro "ataque" de flores, grama, adubo e carinho com os "jardins alheios".

Em conversa com a equipe do EcoD, Richard Reynolds explicou como surgiu o Guerrilla Garden e como você pode começar uma “revolução verde”, mesmo que seja no seu próprio jardim.


Qualquer objeto largado "a deriva" ganha cuidados e, claro, flores

EcoD: O que é o "Guerrilla Gardening"?
Richard Reynolds: O cultivo ilícito de alguma terra, que pertença ao público em geral, normalmente negligenciadas e sem cuidados.

Como surgiu a ideia de "atacar" a cidade com plantas e flores?
A jardinagem por si só já pode ser considerada uma batalha, se levarmos em conta que temos a atitude de domar e moldar a natureza para satisfazer as nossas expectativas. Então, esta é uma batalha que pode ter um fim positivo e reivindicar contra o abandono de terras, contra a escassez de verde e contra o descaso.

Quantos países já foram contaminados pelos ideais positivos do "Guerrilla Gardening"?
Em meu livro, On Guerrilla Gardening, eu descrevo que a guerrilha de jardinagem já está presente em 30 países diferentes. Mas eu tenho certeza que é muito mais porque, regularmente, eu me deparo com pessoas que vêm fazendo isso há anos, mas não sabiam que tinha um nome ou ainda que faz parte de um movimento solto.


Um grupo participante da guerrilla em ação, plantando sementes de amor à natureza

Como você explica a adesão de tantas pessoas a esta iniciativa? As pessoas estão se movimentando para buscar o “verde” que vem se perdendo na paisagem urbana?
É instintivo. Há uma necessidade emocional e física de ter contato com plantas, mesmo que por meio de jardins. Quem mantém um jardim, por exemplo, tem paixão pelo que faz, e é esta motivação que o faz derrubar as fronteiras dos muros das suas casas e "tocar" em outros pontos do seu bairro ou da sua cidade. Outros, como eu, não têm o seu próprio jardim e esta é uma maneira de fazê-lo. É também um ato político delicado e sensível, que mostra a importância do espaço verde para a comunidade.

Como você, Richard, se sente ao inspirar tantas pessoas?
É gratificante escutar das pessoas que já ouviram falar da ideia e, em seguida, a colocaram em prática, eu realmente gosto disso. Meu pai é um padre, meu dia de trabalho é na publicidade. Isso é como uma "segunda natureza" para mim, poder espalhar a mensagem e tentar inspirar as pessoas a mudarem o seu comportamento.


Criatividade e coragem de mudar a realidade: sentimentos que motivam o voluntário

Para quem quiser participar da "Guerrilla", o que você recomendaria como um "primeiro passo"?
Mantenha um local cuidado, comece do simples, cuide do solo e inspire os outros através de sua ação.

Em sua opinião, o que é necessário para tornar o mundo um lugar mais agradável?
Um sentimento de orgulho, um pouco de liberdade de imaginação e vontade de desafiar a realidade.

terça-feira, abril 06, 2010

Facebook - novidades

Tenho aprendido imensas coisas novas no facebook e partilhado outras tantas.
Passem por para saber as últimas!

segunda-feira, abril 05, 2010

Chocolates da Páscoa

Não são biológicos, mas a cavalo dado não se olha o dente! E decidi aproveitar o papelote para um belo origami:


Encontro Verde 2010 - Quinta da Cabeça do Mato - Tábua

Foi uma experiência única que a Lúcia e a Raquel aqui do CEA experimentaram.
Ainda puderam estar com amigos (Dália e Filipe) e conhecer outras pessoas.
Os ensinamentos foram imensos.
A luz da família organizadora deste evento (Quinta da Cabça do Mato) foi contagiante.
A comida foi reconfortante.
O fogo aqueceu o corpo gelado da chuva e das baixas temperaturas.
O chá e o café quentes aqueceram a alma.
Os cânticos alegraram corpos e corações.
Todos colocaram "as mãos na massa".

Foram três dias de verdadeira luz!


Find more photos like this on Permacultura Portugal

quinta-feira, abril 01, 2010

 
eXTReMe Tracker